...

5 coisas de que tenho medo


E voltei eu às listinhas.


1. Mar Alto

Ou ficar sem pé. Este medo deve-se a vários factores - não sou grande coisa a nadar; quando penso na imensidão do mar e eu no meio ali tão pequena faz-me confusão; não gosto de não saber o que está debaixo de mim; imaginação muito fértil para monstros marinhos; traumatismo por ver uma nadadora-salvadora do Baywatch a morrer por causa de um tubarão.

2. Claustrofobia 

Neste não sou única, calculo. É difícil de explicar mas houve uma época que eu tinha muitos sonhos / sonambulismo / alucinações durante a noite, e uma delas foi que estava presa num caixão debaixo da terra. E por me lembrar do medo horrível que senti fico um pouco ansiosa quando estou em lugares fechados e sei que essa ansiedade me vai despoletar o dito sonambulismo / cenas.

3. Borboletas e Traças

Medo esquisito eu sei, mas é assim, tal como no amor ninguém escolhe os seus medos. Não sei quando começou e penso que é o facto de terem asas esquisitas (não sou adepta de bichos a voarem à minha volta) que faz ter algum medo, não sei. Além de que as acho nojentas. Borboletas ainda vá que não vá, agora traças...arrrrghhhh! O que é estranho porque eu era capaz de dar um patanço (algarvio para pontapé!) numa barata por exemplo, embora tenha nojo, mas numa traça nem pensar. No entanto gosto de abelhas e aranhas...enfim...

Agora me lembro que quando era mais nova fui perseguida por uma borboleta gigante no Castelo de Silves e isso pode-me ter traumatizado, não?

4. Gafanhotos

Ainda nos insectos. Este deve ter algum motivo bíblico! Ah ah ah brinco. É o aspecto e o facto de saltarem / voarem e de serem crocantes argh argh ARGH! No ciclo um puto perseguiu-me com um gafanhoto gigante, verde e nojento na mão e eu fugi para o sitio com mais pessoas e pronto, espetei-me à frente de toda a gente e ele ainda me pôs aquela coisa abominável no cabelo e eu tive de lhe tocar para ele sair dos meus cabelos e só de falar disto estou toda encolhida e é horrível AAARRHGHHGHGHGHF

5. Tsunamis

Este não é um medo tão real como os outros que falei acima, mas é um medo! Desde nova que não há mês que não sonhe com um tsunami, juro. Felizmente habituei-me aos sonhos e, curiosamente, sobrevivo sempre! A cena é que sei que está para vir, breve ou não. O que é certo é que Portugal tem zero preparação para uma eventual catástrofe e isso faz-me confusão. Ai querem casinhas à beira da praia porque é chique e bonito? Preparem-se para levar com uma onda nos cornos.
Felizmente na minha mente já tenho o plano preparado caso isso aconteça (para onde vou, o que levo, etc etc) e como estou sempre à espera que aconteça, estou sempre alerta!!! Á pala disto tudo estudei muito bem o terramoto e tsunami de 1755 em Lagos e Lisboa e aprendi boas coisas - se acordarem e sentirem no ar um cheiro a enxofre é porque vem aí terramoto dos grandes!

***
Existem outras coisas que me fazem medo, mas são aquelas que todos sentimos - medo de perder alguém de quem gostamos, de ficar com uma doença tramada, etc. - portanto decidi não pôr. Tenho também outros medos relacionados com o mar (juro que se acreditasse nas vidas passadas, eu na minha teria morrido afogada) como por exemplo medo de ondas, ou medo que o namorado seja levado por uma onda enquanto pesca, ou medo dos animais marinhos, ou medo de ser agarrada por uma lula gigante e ser puxada para as profundezas....cenas assim, que já está implícito no medo do mar.

Não tenho medo mas acho creepy (como traduzo a expressão para português?) palhaços e bonecas de porcelana e criancinhas em filmes de terror.

E vocês meus caros? Do que têm medo? Eu contei-vos o meu medo de borboletas portanto vocês têm de me contar os vossos medos mais idiotas também, ok?

Outfit #9 UUURRR AHHRRR

Sons de Wookie. 
Chewbaca styleee. 






Tshirt do namorado - Pull&Bear
Casaco pseudo-cabedal - Zara
Cão que parece um ursinho - Rafeiro Alentejanoland
Gato emplastro - Adopção Gatos Lagos

10 Day "Opinion" Challenge // Desafio de 10 dias de "opiniões"



2. On gay marriage // Sobe o casamento gay

Vou revelar um pequeno segredo - eu não sou grande adepta do casamento, ainda mais se for religioso, mas isso é porque sou ateia. No que toca ao casamento civil, não sou contra, claro, mas é algo que não me aquece nem arrefece. É apenas um papel. Querem trocar votos e promessas? Façam como a Meredith Grey e escrevam num post-it. (vejam Grey's Anatomy)

Ok vá...percebo que por motivos burocráticos e financeiros e blá blá blá dê jeito estar casado. Mas também existe a união de facto. E se alguém me quiser elucidar sobre as diferenças entre união de facto e casamento que se acuse. 

Dito tudo isto não sou contra os casamentos civis ou religiosos. Aliás, nunca fui a nenhum e tenho uma certa curiosidade. Os casamentos são uma festa para celebrar o facto de duas pessoas estarem juntas....certo? Logo não os detesto. Festas são bem vindas. Se as pessoas quiserem juntar mais significado a isso (quer religioso quer não) força! 

Isto tudo então para dizer que se duas pessoas se querem casar, que se casem. Tanto me faz se é macho se é fêmea. Gostam-se? Óptimo. Querem fazer uma festa? Ainda melhor. Faz-me confusão, e juro que me faz mesmo muita confusão por ser tão ilógico, as pessoas (e países) que são contra o casamento gay. Porque o facto de dois homens ou duas mulheres casarem-se não afecta a-bso-lu-ta-men-te nada a sociedade  já devia ser suficiente para essas duas pessoas se casarem, não? 

E depois vêem os cristãos fanáticos a dizer que dois homens (ou mulheres) juntos é uma abominação e é por isso que não se devem casar. Epá, vão-se foder! Eles vão estar juntos mesmo sem se casar portanto passem-se lá disso. 

Para não falar que ninguém tem o direito de proteger a "santidade do casamento" visto que é só divórcios, adultério, violência, casamentos duplos, triplos e sei lá mais o quê. Opá! De "santo" não tem o casamento nada. E não me venham também dizer que é uma coisa sagrada se provavelmente está a ser celebrada por um padre que é pedófilo. Que sagrado! 

Conclusão.... deixem as pessoas em paz e casarem-se com quem quiserem. Fdx eu quando era pequena casei os meus dois cães sem o consentimento deles e as pessoas que realmente querem não o podem fazer? Só porque são do mesmo sexo? Amor é amor, get over it. 



PS: Só me casarei para ter benefícios financeiros. xoxo 

Pequenas Resoluções





Eu disse que não tinha feito resoluções...mas há realmente coisas que eu quero fazer neste próximo ano e, inspirada pela Kaylah, eis aqui uma pequena listinha:

- Ler 30 livros (já vou em 2);
- Aprender a fazer hula hoop ;
- Passar mais tempo lá fora;
- Fazer canteiro de flores;
- Fazer canteiro de ervas aromáticas;
- Começar e acabar um Scrapbook; 
- Expandir a minha colecção de coisinhas;
- Aprender a coser;
- Escrever mais;

E é só, embora eu já ache muitíssimo. Deixo-vos então com duas musiquinhas para vocês ficarem bem dispostos...a mim deixam-me.




10 Day "Opinion" Challenge // Desafio de 10 dias de "opiniões"

You have to post your opinion about the following

  1. On drugs.
  2. On gay marriage.
  3. On politics.
  4. On kissing randoms at parties.
  5. On getting wasted and not remembering nothing.
  6. On bullying.
  7. On religions.
  8. On anorexia and bulimia.
  9. On going out a lot (like 3-4 times a week)
  10. On sex (in general)


Acho interessante a ideia deste desafio. Pelo menos obriga-me a escrever algo aqui, não?

Dia 1 - Drogas

Cada um é dono de si mesmo. Cada um é como cada qual e, se forem maiores e vacinados, e não estiverem a fazer mal a ninguém ou a algum animal, por mim pode tomar todas as drogas do mundo. 

Acho algumas drogas mais decadentes que outras e muitas delas acho escusadas. Não acho piada a drogar-se só porque estão numa festa e os outros se também drogam (peer pressure much?) , nem a drogar-se para sair à noite ou assim. Acho que se uma pessoa quiser consegue-se divertir tanto ou mais do que se tiver drogado. 

No entanto há drogas que acho inofensivas. Embora não consuma nada, canábis não me faz confusão ou aqueles cogumelos que só fazem rir ainda menos me fazem. É o que eu digo, desde que não prejudiquem ninguém então não tenho nada a ver com isso. 

Não sou adepta de drogas mas se conhecer uma pessoa que consuma das mais pesadas, epá, paciência, aceito isso porque o corpo é delas e não me faço de esquisita com essa pessoa. A menos que um gajo hiper mocado sei lá com o quê me vier com conversinhas sem sentido, repetitivas, ou querendo-me impingir droga, não tenho problemas. Se vier com isso, então está o caldo entornado. 

Não me vão apanhar drogada. Tenho sonhos melhores que drogas e a minha vida, apesar de ser aborrecida como tudo, não pede por essas emoções. Não direi "nunca" porque alcool até que consumo e consegue ter efeitos piores que muitas drogas, mas em principio, não obrigada! Só aspirinas e benurons. 

Se julgam as pessoas porque se drogam com isto ou aquilo. Parem. Eu também já assim fui e consegui mudar. Tipo o corpo é deles, deixem eles fazerem o que quiserem (se essa pessoa fica violenta e estúpida quando se droga, então podem julgar à vontade.) desde que não ponha em risco o vosso bem-estar ou de outros. 
Tenham também em conta que há pessoas mais propensas a serem viciadas no que quer que seja. Pode ser genético - filhos de pais alcoólicos têm mais tendência para se viciarem. Se está nos genes, não é propriamente culpa da pessoa. Ou pensem que depois de estarem viciados, é como uma doença física. Literalmente. Eles sofrem fisicamente se passarem sem o seu vício. Podem argumentar "mas quem lhes manda enfiarem-se nas drogas?". Pois isso já é erro deles ou então de quem lhes influenciou. Mas quem é que não cometeu um erro nas suas vidas que atire a primeira pedra. 

Conclusão? Podem não gostar, podem ser contra, podem odiar drogas mas lembrem-se que não têm absolutamente direito nenhum de mandar no corpo de outrém. Se querem afastar os vossos filhos dos gajos do bairro que fumam charros, tudo bem, mas tenham em conta que o mais provável é eles apanharem um chapadão do tio que está sempre bêbado do que dos "drogados" dos charros. 

xoxo 



Translate

ShareThis