5 Conselhos que daria à Cláudia de 10 anos atrás!

Acho que estas lições só se aprendem quando as vivemos. Por mais que nos digam nunca entram completamente na nossa cabeça.

1. Não consegues decidir o teu futuro aos 18 - quer seja escolher um curso ou um trabalho. Até agora, aos 27, não sei bem ainda o que quero fazer para todo o sempre, lamento. E o inicio dos vinte não é a altura ideal para decidires o que fazer. Claro que há as pessoas que sabem desde sempre o que querem fazer da vida. Felicito-as!
Mas que fique registado que não faz mal mudares de curso três vezes, não faz mal despedires-te do emprego dos teus sonhos porque afinal não é aquilo que esperavas, nem faz mal ficares parado um ano, ou teres cinco mil hobbies. Os vinte são a descoberta e mesmo que tenhas pessoas criticar, ignora. É a tua vida e aposto que não queres acabar num emprego que odeias.

2. Valerá a pena gozar com as pessoas? - Todos passamos por isto, digam o que disserem. Ou são os gozados ou o gozadores (??). Há gozos típicos de adolescentes que nem chega a ser bullying. Dizem que dá carácter, a mim deu-me o sarcasmo.   Eu fui gozada mas também fui mázinha, confesso. Nunca disse nada assim de chocante! Nunca fui cruel! E provavelmente as pessoas com que gozei nem se lembram de tal coisa. Mas lembro-me de certas coisas que disse que me arrependo. Escusava ter sido tão má.
Para que conste também houve vezes que defendi pessoas e disso estou muito orgulhosa.

3. Sê menos influenciável. - Faz parte da adolescência eu sei, mas devia ter mantido sempre os meus ideais. Vivi sempre com o moto: "Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti." mas por vezes ignorava as maldades que certas amigas faziam ou diziam a outros. E achava fixe, e não achava que estava errada. Quem me dera ter defendido certas pessoas, não ter concordado com certas pessoas, não ficar constantemente calada.
Isto irrita-me principalmente na defesa das mulheres. Calei-me em muitas situações que a feminista que há em mim hoje daria uma chapada na Cláudia do passado tão, mas tão grande.
As mulheres já sofrem tanto às custas dos homens....porquê ainda haver mulheres contra mulheres?

4. Não fomentes drama ou intrigas. - Isto é quase impossível em certas idades e quando se tem um grupo grande de amigas. Mas agora tenho tanta pouca paciência para o "ele disse que ela disse que..." Quem me dera ter sido directa, sempre e para sempre. "Ai ela disse isso de mim? Então vou falar com ela." E falar como pessoas normais, sem drama. Quando encontrarem pessoas difíceis, ignorem-nas ou...

5. Afasta-te de pessoas claramente "tóxicas" - Deviam-me ter enfiado esta na cabeça à força! Quando alguém te trata mal, ou trata mal as outras pessoas, ou vive para intrigas, é hipócrita, preconceituosa, etc etc. Afasta-te. A sério!
Sim, vais perder amigos. Mas serão amigos que valerão a pena? Tens anos e anos pela frente. Não os queiras desperdiçar com certo tipo de pessoas.
Garanto-te que vais encontrar pessoas melhores que essas. Não tenhas medo de te afastar ou dizer directamente a essa pessoa o porquê de te afastares. Tens direito a isso.



Que conselhos dariam ao vosso passado? Bebe menos? Sê mais extrovertido? Sai do computador? 


PS: Eu sei que todas as experiências pelas quais passei fazem a pessoa que sou hoje. Mas há sem dúvida situações que eram escusadas e que se não tivessem acontecido eu tornaria-me a pessoa que sou hoje muito mais rápido! Oh yeah! 

4 comments:

  1. a primeira é tão mas tão certa! acho que os miúdos agora sentem menos essa pressão sabes? acho que a nossa geração foi um bocado a transição entre os nossos pais com aquele emprego certo e a próxima será mais flexível com isso (pelo menos vejo a minha irmã mais nova menos preocupada com isso).
    a última devia tar colada nas nossas testa durante muitos anos xD

    ReplyDelete
  2. O único conselho que daria a mim mesma era : se te afastaste aquela pessoa aos 17 anos, por alguma razão foi, então porque carga de água é que vais voltar a dar-te com ela aos vinte e muitos? Só que o conselho nem faria sentdio porque se me mantivesse afastada não me teria apercebido agora aos 40 o quão tóxica essa pessoa era para mim ahahahah. É que ao recordar a adolescência e as coisas feitas e ditas por essa amiga, vejo aí as razões por me ter tornado na pessoa que sou, as razões porque sou quem sou e como sou, e isso foi tipo um momento de AHA para mim, uma epifânia brutal.
    http://bloglairdutemps.blogspot.pt/

    ReplyDelete
  3. "É a tua vida e aposto que não queres acabar num emprego que odeias." - tantas vezes que tento explicar isto a alguém, até porque trabalho desde os 16 e nenhum dos empregos foi de sonho (ok, no museu até foi fixe lol) e as pessoas olham-me como se eu não tivesse espírito de sacríficio algum... O conselho que eu daria a mim própria... Seria ter começado a juntar dinheiro de forma disciplinada muito mais cedo. E não me ter humilhado tanto à custa dos meus sentimentos por pessoas que não mereciam tal devoção. Ainda assim, consola-me a ideia de ter aprendido com os meus erros, toda a aprendizagem que tirei deles serviu-me de lição (isto, se não os voltar a repetir, claro) e também me ajudou a aprofundar a maneira como vejo as coisas hoje em dia, a analisar melhor certas situações e a apurar a minha intuição. Ah, também teria sido melhor ter sido menos insegura nos tempos de adolescência. Se hoje alguém me gozasse como me gozaram no passado, mandaria a pessoa imediatamente para o caralho.

    ReplyDelete
  4. Acho que principalmente, diria para ser menos influenciável. Temos a tendência horrível de seguir aqueles que achamos "cool" e acabamos por perder a nossa personalidade ou ser ofuscados pelas outras pessoas. Isso e resolver os conflitos assim que aparecessem. Evitávamos mal entendidos que estragaram amizades e afins. Gostei "batalhões" deste post ;)

    ReplyDelete

Translate

ShareThis