...

Mulheres Badass

For most of history, Anonymous was a woman.

                      Virginia Woolf


O Google traduz-me "badass" como "mauzão" mas eu acho que não há uma boa tradução para esta palavra. Uma das minhas preferidas da língua inglesa, deixem-me que vos diga. 
Esta lista não tem muitas mulheres. Há muitas, muitas mais. Mas vale a pena falar destas. 




Onna-Bugeisha - guerreiras japonesas que lutavam com os samurais e defendiam as suas casas contra ataques. Lutavam com uma naginata em vez de uma espada, pois era melhor a manter o inimigo afastado. Também usavam arco e flecha. 
As Onna-Bugeisha eram raras nas Eras Heian e Kamakura, mas no período Sengoku, graças a constantes conflitos militares e civis, as mulheres tiveram que defender as suas casas ou vilas. 
Acredita-se que as mulheres só lutavam em defesa MAS quando fizeram análises de ADN aos corpos da Batalha de Senbon Matsubaru, concluíram que 35 de 105 eram mulheres. Um terço deles eram mulheres!! E testes noutros lugares de batalhas concluíram a mesma coisa. E nenhuma dessas batalhas eram defensivas. Portanto deveria haver muito mais onna-bugeishas no campo de batalha do que as fontes revelam. 


Lilian Bland - em 1910 na Irlanda, Lilian construiu o seu próprio avião. O tanque de combustível era uma garrafa velha que whisky. Os seus hobbies eram: fumar, andar de calças, artes marciais, carros e jogo. 


Ching Shih - a pirata mais temida da história!  Começou como prostituta e depois tornou-se mulher de um capitão pirata: Cheng I. Ora o Cheng já tinha uma frota considerável de barcos e já andava a fazer estragos pela China. Mas quando a Ching Shih meteu-se ao barulho a frota duplicou. 
Quando Cheng I morreu num tsunami em 1807, ela tomou conta de toda a Frota da Bandeira Vermelha (Red Flag Fleet). Ching controlou tudo graças a um código de conduta pirata - se saqueassem uma cidade amiga, ficavam sem cabeça; se roubassem do tesouro pirata, ficavam sem cabeça; se violassem alguém, ficavam sem cabeça!! Até sexo consensual era proibido enquanto estivessem em serviço. 
Em 1808 o Governo Chinês, farto das merdas da Ching, enviaram uma frota Imperial para a apanhar. Não só a gaja não fugiu, como os enfrentou à grande, capturando 63 navios imperiais. 
Navios de guerra ingleses e holandeses também a enfrentaram, mas não tiveram bons resultados. 
O Governo sugeriu-lhe então amnistia e ela aceitou. Atracou a frota, ficou com todo o saque e viveu até os 69 anos. Badass! 

Mais: 


E... 


10 clichés que os Escritores devem evitar

Leio muito sobre escrita. Não é que haja regras na escrita, nem acho que deva haver, cada um escreve como sabe, mas gosto de saber aquelas dicas tipo: 30% dos autores que escreveram isto assim, venderam mais; ou se abusares muito nisto os leitores vão-se aborrecer. 

Estes são os clichés mais básicos de escrita, mas no entanto, acredito que haja muitos livros com eles que resultam! Portanto este post não é um proibição, longe disso!, mas tenham em atenção que muitos livros não são vistos como bons por causa de certos clichés. 

Chega de conversa . Ei-los:


1. O Escolhido! - quinhentos mil livros, series, filmes, em que há um herói especial de corrida, que foi escolhido pelas profecias, pelos deuses, ou por sei lá o quê, já está tão visto que irrita. Quer dizer...eu adoro o Harry Potter, mas o facto de ele ser O Escolhido lá da profecia fez-me revirar os olhos, lamento. No entanto, é um cliché que pode resultar em maneiras originais. Tipo um anti-heroi que os leitores detestam ser O escolhido era algo que não me importava de ler. Mas vendo bem, quando leio uma coisa sobre o Heroi e o Escolhido, já sei logo que vai ele ganhar, porque, enfim, as profecias assim o dizem. 

2. Descrição do personagem ao espelho - Isto é uma luta constante para mim. Não há maneira mais fácil de descrever um personagem do que o pôr a olhar ao espelho. Mais fácil e mais preguiçosa. Há autores que nem gostam de descrever personagens para deixar a imaginação do leitor tratar disso. Mas eu gosto. Tenho sempre uma imagem em mente e quero mostrá-la a quem lê.
 O que aprendi é que não devo descrever a personagem logo de uma assentada ou extremamente pormenorizado. Pôr outro personagem secundário a olhar para os olhos verdes da X, ou o vento a soprar pelo cabelo castanho da Y, dá dicas suficientes ao leitor do físico básico da personagem, sem ser o óbvio: "Ele era assim, assado e desta altura. Os olhos eram cor de manteiga e os pés azuis." 
Descrever a personagem discretamente dá muito espaço de imaginação ao leitor, o que é bom. 
A menos que toda a história seja em volta de uma característica física do personagem, aí sim, convém ter descrição. 

3. Mau comportamento = Maus pais - gosto de vilões com história e com razões para serem como são mas chega de daddy issues por favor. E nem tenho de falar só de vilões. Há personagens e narradores que são simplesmente detestáveis mas, oh, coitados, tiveram uma infância infeliz. Também há pessoas más com pais bons. Há mais razões para a maldade e às vezes nem há razões. E, sinceramente, acharia mais interessante ler sobre um personagem que cresceu num ambiente familiar excelente e se tornou uma pessoa má. Há mais para explorar aí, não há? 

4. É mau porque sim. - Esta é a outra face da moeda do cliché anterior. O Voltorb quer destruir o mundo e toda a humanidade. Porquê?  Vingança? E tipo...vai matar todos e depois quê? Fica sozinho? O que é que faz entretanto? Quer conquistar o mundo para quê? E porquê? E não tem amigos? E não tem pessoas que gosta? Sempre podem desculpá-lo e dizer que é um louco megalómano com mania que é deus mas epá...a menos que seja mesmo um deus, penso sempre na parte humana da personagem. Ai vai ficar no castelo das trevas sozinho com os humanos todos mortos? E tem lá casa-de-banho? Caga? O que come? Fica a ler livros para a eternidade? Tornem os vilões mais humanos e verosímeis. Ninguém destrói a humanidade só porque sim.
Se for uma história com aliens, se eles são uma sociedade suficientemente avançada para conseguir fazer viagens espaciais, também não serão uma sociedade avançada com morais? Não, vamos matar tudo e todos para lhes tirar os recursos. *reviranço de olhos* 

5. Mensagens nos sonhos - Uau! Que conveniente! Já se sabe que os Urgals vão atacar porque ele sonhou com luas vermelhas e vulcões  e blá blá blá. A menos que a personagem seja mesmo adivinho, ou que caminhe para isso, chega de sonhos profetizadores. Normalmente são sonhos muito específicos e digo-vos, por experiência própria, que há muitas poucas pessoas que se lembram claramente dos sonhos que têm. Vocês conseguem ser mais originais que isso! 

6. Pôr os personagens inconscientes porque dá jeito -  Epá ele foi raptado e agora vão demorar pelo menos cinco horas a chegar às masmorras... se ele estiver desmaiado, isto é rápido. Conveniente. Ou mudar de sítio: estar numa floresta e acordar num deserto. Para já, confesso, esta é um cliché muito fácil de se fazer. Eu faço-o. Dá jeito. Mas vamos ignorar o facto de que se o personagem levou uma pancada forte na cabeça e desmaiou, provavelmente tem um traumatismo craniano e precisa de tratamento. Vamos ignorar isso. Vamos ser originais e não andar a pôr os personagens inconscientes só porque nos aborrece escrever: "Viajou cinco horas às costas daquela besta, com as mãos e pés amarrados." 

7. Pele de ébano // Pretos especiais - Esta é dois em um. Há falta de pessoas de cor nos livros. É sabido. A forma de muitos autores porem POC (people of colour) e gritar aos sete ventos que não são racistas é tornarem essas personagens importantes / especiais de alguma forma. Ajudam o herói, têm uma grande ligação com a mãe terra, são intimidantes mas no fundo são muito sábios, são altivos e serenos. Chama-se white guilt. E sim, também já caí no erro de o fazer. Podem pôr POCs na vossa história que sejam normais, ou maus, ou feios. O importante é pôr. 
Segunda questão....se voltam a descrever a pele deles usando a palavra ébano dou-vos uma estalada. Há mais cores, há mais comparações, há mais adjectivos.

8. Meteorologia sem sal. - Isto é mais para escritores de fantasia que criam um mundo diferente do nosso, mas no entanto as estações são exactamente como as da Terra. Acho a meteorologia nas histórias algo muito importante. Uma pessoa crescida num ambiente só de chuva é diferente de uma pessoa de um deserto. Lamento, mas é. Isso é preguiça em criar um mundo. A primeira coisa que me interessou na Saga Mistborn foi o facto de estar sempre a chover cinza. Deixou-me logo curiosa em saber como aquele mundo funcionava ou como isso afectava as personagens. 
Chuva, sol, vento, neve. Há trovoada, há ciclones, há cheias, há granizo. Porque não um vale onde troveja constantemente?  Ou uma cidade que está sempre inundada? Porque não uma época das chuvas a seguir às de neve? E um mundo sem uma primavera? Se não quiserem ser tão hardcore, nem focar tanto na meteorologia na vossa história, foquem-se nos pormenores. Há vento e há ventanias. Há tipos de vento diferente. Cortante, húmido, seco. Também há vários tipos de chuva. Sejam originais. 

9. Acordar no início - Quase que é metafórico pôr o personagem a acordar no início da vossa história. Está mais que visto. Não. 

10. Orfãos. - Dá taaaaanto jeito não ter de pôr os pais na história. Tanto, mas tanto jeito. Eu sou completamente culpada deste cliché. Lamento,  mas não me apetece escrever sobre os pais desta personagem. É preguiçoso, é facil e normalmente dá razões aos personagens de ser como são. (Ou muitas vezes é até o plot da história!) 



Não se deixem enganar. Escrevi pelo menos metade destes clichés nas minhas histórias.  Vivendo e aprendendo. E acho que ainda tenho de escrever muito para os conseguir evitar. Por enquanto, acho que fazem sentido nas minhas escrituras. Poderão ser criticadas por isso? É o mais provável. Mas lá está...penso que ao longo dos anos a minha escrita irá evoluir em relação a isto. 

Há ainda muito mais clichés que não falei aqui. Tipo: relações amorosas sempre cheias de drama, pai-vilão, números pares (nunca ficam presos durante 147 anos, não, é sempre 50 anos exactos! Ou 100! Ou 500!), mulheres que precisam sempre de ser salvas, etc etc

Digam-me os clichés que vocês mais cometem e os que são a favor. Ou aqueles que vos fazem revirar os olhos até terem uma visão do vosso cérebro. Quero saber tudo. Para aprender. 

Recentes Leituras

Este ano ando potente nas leituras. Três meses, três livros. Já não tinha este ritmo de ler há já algum tempo. Eis o que achei do que li:


1.Os Três de Sarah Lotz 


Sinopse: 

O dia que nunca será esquecido. O dia em que há quatro acidentes de avião, em simultâneo, em diferentes pontos do globo. E três crianças sobreviveram.
O mundo vive atordoado com a trágica coincidência. À beira do pânico global, as autoridades são pressionadas a encontrar as causas que motivaram os acidentes. Com terrorismo e desastres ambientais fora da equação, não parece haver uma correlação lógica, tirando o facto de ter havido uma criança sobrevivente em três dos quatro acidentes.
Intituladas Os Três pela imprensa internacional, as crianças exibem distúrbios de comportamento, presumivelmente causados pelo horror que viveram e pela pressão da comunicação social. Esta pressão torna-se ainda mais intrusiva quando um culto religioso liderado por um ministro fanático insiste que as crianças são três dos quatro profetas do Apocalipse. E se, para mal de toda a Humanidade, ele tiver razão?
Juro que só vi críticas positivas a este livro. Aliás, prometia muita coisa, por isso o comprei. Mas deixem-me que vos diga que detestei e não recomendo. Nem detestei pela história, foi por mais questões técnicas, tipo como está escrito.

O livro está escrito como se fosse um livro de relatos sobre o que aconteceu às crianças (e isto nem é spoiler, mesmo que fosse, vocês não vão ler esta merda please) mas a autora, quer seja um "artigo de jornal" quer seja uma transcrição de uma entrevista, quer seja um excerto de um chat, ESCREVE SEMPRE DA MESMA MANEIRA. Tipo não interessa se o relato é de um red neck ou de um japonês inteligentíssimo, parece que estamos sempre a ler do ponto de vista da mesma pessoa (que era exactamente isso que a autora não queria, senão não tinha inventado este livro de relatos!).

Não nego que o problema esteja na tradução portuguesa, mas sinceramente duvido. Não gostei. A história não anda nem desanda, muita palha, nenhuma evolução.

Daria 1 em 5 porque o início está cativante.


2. Saga Mistborn: O Império Final por Brandon Sanderson

Sinopse

Primeiro volume de uma nova série de um dos autores que mais sucesso teve nos últimos anos na fantasia. 
Num mundo onde as cinzas caem do céu e as brumas dominam a noite, o povo dos Skaa vive escravizado e na absoluta miséria. Durante mais de mil anos, o Senhor Soberano governou com um poder divino inquestionável e pela força do terror. Mas quando a esperança parecia perdida, um sobrevivente de nome Kelsier escapa do mais terrível cativeiro graças à estranha magia dos metais – a Alomancia – que o transforma num “nascido nas brumas”, alguém capaz de invocar o poder de todos os metais.
Kelsier foi outrora um famoso ladrão e um líder carismático no submundo. A experiência agonizante que atravessou tornou-o obcecado em derrubar o Senhor Soberano com um plano audacioso. Após reunir um grupo de elite, é então que descobre Vin, uma órfã skaa com talento para a magia dos metais e que vive nas ruas. Perante os incríveis poderes latentes de Vin, Kelsier começa a acreditar que talvez consiga cumprir os seus sonhos de transformar para sempre o Império Final…
Posso-vos dizer que já não me sentia assim por um livro de fantasia desde o Harry Potter. Li reviews a dizer que este seria o próximo livro de fantasia a tornar-se "viral" e, gente, concordo! Se bem que duvido que eles consigam fazer filme disto. Espero que não o façam. 
Anyway.... apesar do livro evoluir a passo um pouco lento, o autor apresenta-nos um mundo muito bem pensado, um tipo de magia (dos metais) ainda melhor pensado e, acima de tudo, uma heroína potente! 
Tenho de dizer que nem a Katniss de Hunger Games me cativou tanto como a Vin. Apetece-me viajar para a América e dar um belo aperto de mão ao Brandon. 
Livro bom para quem conseguir imaginar bem lutas pormenorizadas cheias de poderzinhos. Eh eh eh 
Daria 4 de 5, só porque em algumas partes é um pouco parado. 

3. Saga Mistborn: O Poço da Ascensão de Brandon Sanderson
(( Não ponho a sinopse porque tem spoilers do livro anterior e eu quero que vocês leiam isto))
Pronto. Este explica porquê que o outro livro foi um bocado lento. O Império Final é mesmo uma introdução e prepara-nos para o que vem.
Ainda estou meio histérica por o ter acabado mas...uau! Parabéns ao autor pelo ritmo que deu à história. Não achei que tivesse momentos lentos nem palha nem nada. Está sempre a acontecer qualquer coisa importante na história, os plot twists são...wow, a acção está potente, os personagens evoluem, os pormenorzinhos estão lá para nos fazer querer ler a história de novo para podermos reparar neles....epá! 
Lamento, adorei. A Vin passou a ser uma das minha personagem preferida de todos os livros ever. O único senão disto...é que a Saída de Emergência ainda não publicou o terceiro livro e uma pessoa está a sofrer e a pensar que se calhar compra em inglês. 
Dou 5 em 5! Perfeito para amantes de fantasia com acção. 

Johanna Basford e os Livros para Colorir

Quando às vezes vou visitar as minhas primas mais pequenas, a criança que há em mim passa-se e fico encantada com toda a bonecada que elas têm. Confesso que me dá extrema vontade de voltar a brincar às Barbies. Ainda fico com uma vontade mais forte quando vejo livros para colorir. Dá aquela ânsia de pintar as princesas e animaizinhos com cores que combinem, sempre dentro das linhas, com sombras e tudo. A vocês não?

Quando começaram a surgir livros de colorir para adultos, acho que ninguém os levou a sério. No entanto, Johanna Basford já vendeu mais de um milhão desse tipo de livro. E agora...acabou de vender mais dois.

Sabem quando estão aborrecidos numa aula ou assim, e começam a fazer rabiscos no canto da folha do caderno, que se vão tornando cada vez mais e mais intricados porque vão adicionando coisas? A arte da Johanna Basford é mais ou menos assim. Só que a outro nível.

Além da arte dela estar espalhada por toda a parte, ela decidiu publicar livros de colorir para adultos (ou pelo menos para gente que goste de colorir algo mais pormenorizado e tenha a capacidade de o fazer dentro das linhas). E a partir de hoje sou dona de um desses livros graças à minha irmã e....omg! É lindo! Nunca tocarei nele!!




Cada página que folheio só me apetece arrancá-la e emoldurá-la. Distraio-me enquanto reparo em todos os pormenores e prometo a mim mesma não tocar nesta obra de arte. No entanto...este livro serve para ser pintado e, afinal, há qualquer coisa de relaxante no colorir, portanto nunca direi nunca!

Tudo é "pintável", até a capa:

Eu tenho o "Jardim Secreto" mas também há a "Floresta Encantada". Gosto de tudo. Morro e guincho muito. Quero tatuar tudo neste livro no meu corpo.



Não ficaram com vontade de ter um? Sei que a minha irmã os encontrou na Fnac, mas também há online.

Comprem. Não se vão arrepender. Imaginem uma tarde de chuva, um chá numa mão, um lápis de cor na outra...... blissss! 

Tag: 7 Coisas

Vi no blog Desabafos Agridoces e também decidi fazer!


7 Coisas para fazer antes de morrer: 

- tocar/ segurar/ ou ver muito perto o máximo de animais possíveis; 
- viajar imensamente;
- ter filhos; 
- publicar um livro; (ou mais, mas não vamos ser demasiado ambiciosos)
- ver a aurora boreal; 
- ir a um concerto de Joe Hisaishi e Yann Tiersen;
- conhecer Neil deGrasse Tyson e JK Rowling;

7 Coisas que eu mais digo: 

- Omgosh!;
- Kyyaahhhhhhhhh (guincho ao ver o gato a fazer qualquer coisa fofa);
- Porra;
- Whatever... 
- "Abem" aka Bem... (esta tem muita história e não dá para explicar!)
- Não sei;
- .... (não sei qual a sétima)

7 Coisas que faço bem: 

- Massagens; 
- Acho que danço bem; 
- Resumos; 
- Encontrar vestígios das pessoas online; 
- Descobrir os finais dos filmes; 
- Decorar raças de cães; 
- Sou boa com gatos; 

7 Coisas que não faço bem;

- Nadar; 
- Andar de bicicleta; (pareço uma palhaça)
- Arrumar a roupa; 
- Matemática; 
- Conduzir ( não ando aí a matar pessoas, mas garanto que sou muita croma!) 
- Decorar marcas de telemóvel, carros, computadores, etc
- Desenhar; 

7 Coisas que me Encantam; 

- Animais; 
- Paisagens demasiado bonitas para serem reais; 
- Chuva; 
- Mulheres badass;
- Cheiro de relva acabada de cortar; 
- Cama de rede; 
- Novas expansões para o Sims; 

7 Coisas que eu amo: 

- Todos os mamíferos do mundo; 
- Música; 
- Marisco; 
- Família, amigos, namorado; 
- Andar de carro no lado do pendura; 
- Banheiras; (esta é recente e desde que só tenho chuveiro!)
- Cosmos! 


7 Coisas que não gosto; 

- Feijão verde; 
- Cínicos; 
- Que não acreditem em mim quando digo somente a verdade e nada mais que a verdade; 
- Gafanhotos e borboletas; (moscas e baratas também são escusadas)
- Som de aspiradores e motas; 
- Ver pessoas a vomitar (ou ouvir o som); 
- Pés nus em chão de pedra; 

7 Blogs para responder ao desafio? 

- Todos! E ponham link para eu ir cuscar, sff. 

Random Findings #2

Algumas coisas interessantes que tenho encontrado nas interwebs 

1.  Porquê que não devem montar elefantes -  post muito interessante e se alguma vez for à Tailândia ou a outro sítio com elefantes vou ter isto em conta. Por favor leiam o post.

2. Crazy Jewish Mom Instagram - poderá ser...não, é mesmo!, o meu Instagram preferido. A filha posta as mensagens que a mãe dela lhe manda e, gente, é de cagar a rir. "No ring on the finger, you must not linger!"

3. Descobrir que a Terra não é uma bolinha perfeita: 
(ok, eu sabia que não era uma bolinha perfeita, mas também não sabia que era assim tão..grumosa?)


4. Sixpenceee Creepy Stories -  já há muito tempo que queria falar disto aqui. As histórias não são do tumblr Sixpenceee, ela é que vai buscar as melhores ao Reddit. Normalmente estas histórias são lidas como se fossem reais e eu ando viciadíssima nelas. Se gostam de coisas assim, aconselho a seguirem este Tumblr. Ela também tem listas de filmes de terror, jogos de terror, documentários sobre o paranormal e muitas outras coisas.
PS: Estas histórias encontram-se na secção do Reddit chamada No Sleep...portanto se forem sensíveis, aconselho a não as lerem de noite, mas se não lerem de noite, nem vale a pena ler. =)


Translate

ShareThis