BlogLove #5

Descobri blogs muito bons esta semana! (E outros já conhecia!)

1. Helene in Between - "The easiest ways to make me mad" - Não só me identifiquei com o que ela contou e com muitas das coisas que a irritam, como tirei a ideia para fazer um post / lista.

2. Microscope Beauty -  "Etsy Sticker Haul" - Ando apaixonada por este blog, pelos videos "plan with me" que ela faz, e pelos autocolantes que ela compra. A sério, se tivesse dinheiro para isso, enchia tudo com autocolantezinhos idiotas!

3. I Life You - "Rules to work from home" - óptimas dicas para quem trabalha ao computador todos os dias. Há algumas que eu não tinha pensado, ou não tinha levado a sério, mas até que fazem sentido.

4. What Lauren did today - "Desk Tour" - Olá eu sou a Cláudia e gosto de cuscar a vossa casa portanto façam tour de tudo. Obrigada.

5. The Nancy Wilde Experience - "Spring Awakening" - Mais novidades da Nancy em Dublin. Só falta um livro para crianças com desenhos realistas: "Nancy vai ao Museu!" Eh eh eh eh

4 comments:

  1. Pá, tive de ir clicar aí em dois para ler, mas eu sou muito marreca com leituras de blogs, dou por mim a simplesmente não ler nada...
    http://bloglairdutemps.blogspot.pt/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Bem, já descobri uma cena que me deixa fora de mim: gaijas que se irritam quando outras mulheres dizem que não são feministas, principalmente gaijas com menos a quase vinte anos que eu. Não sou feminista, recuso feminismos, e jamais na minha vida serei feminista. Sou a favor da igualdade de direitos e deveres entre TODOS - inclusive crianças - e acima de tudo do respeito alheio. Para mim a maioria das mulheres que se dizem feministas são na verdade seres bacocos com falta de... e que negam aos homens e a qualquer gaija que não concorde com elas aquilo que querem que o mundo lhes dê a elas: respeito. Mas falo da minha experiência pessoal, claro. Prontes, por isto é que eu não leio blogs, para não encontrar cenas que me irritem muahahahaahah - mas adoro o teu blog, e o da Nancy
      http://bloglairdutemps.blogspot.pt/

      Delete
    2. Estás a falar das auto-proclamadas feministas radicais. Isso não existe. Também não suporto mulheres anti-homens. A definição do feminismo é: Feminismo

      1. Doutrina cujos preceitos indicam e defendem a igualdade de direitos entre mulheres e homens.
      2. Movimento que combate a desigualdade de direitos entre mulheres e homens.
      3. Ideologia que defende a igualdade, em todos os aspectos (social, político, econômico), entre homens e mulheres.

      E é nisso que acredito, na igualdade do género, por isso sou feminista. A palavra tem conotação negativa devido a patriarquismos, preconceitos e clichés. "Todas as feministas são mulheres peludas que odeiam homens" foi o que se espalhou para diminuir a força do movimento e devido a mulheres que fizeram acções radicais idiotas.
      Por isso a irritação....dizer que não se é feminista é dizer que não se acredita que a mulher merece o mesmo salário dos homens, é dar uma chapada naquelas que lutaram pelo voto feminino, é dizer "sim, os homens têm todo o poder de decidir sobre o meu corpo", é não ir ao dicionário e é acreditar num movimento imaginário da dominação mundial pelas mulheres.

      Sigo muitas feministas (muitos homens o são, também) que apoiam não só mulheres, como homens, como desigualdade racial, como desigualdade sexual. És anti-desigualdades? És feminista, sorry.

      Delete
    3. Nope, sou equalitária. A merda da idade a mim já me dá a certeza de que independentemente daquilo que está num dicionário, as palavras e os termos evoluem - positiva ou negativamente - com os tempos e acima de tudo com o uso que se faça delas, o significado e a significância que as sociedades lhes dão. O feminismo assume que a desigualdade entre géneros provém de se colocar a mulher num patamar inferior onde lhe são retirados direitos básicos. Como não concordo com este ponto de vista - por exemplo, eu acho que só poderá haver igualdade na ascensão profissional entre homens e mulheres quando a estes lhes for dado o direito de serem pais - no me considero de modo algum feminista: volto a repetir, sou equalitária. Aos vinte e tais anos também era feminista mas a vida fez-me mudar de opinião. Posso até defender exactamente aquilo que tu defendes, nos mesmos pontos, e com a mesma crença, mas não sou feminista, sou equalitária, sou a favor da igualdade que não parte da assunção de que a mulher está á priori num patamar inferior. A maioria das feministas com as quais privei de perto e com as quais me tenho cruzado ao longo da vida não são man haters, pelo contrário: são woman haters. E são incapazes de dar liberdade a outro ser humano, e não sabem o que é respeitar o outro. Dizeres-me que ao afirmar que não sou feminista estou a dar uma chapada no que quer que seja para mim é precisamente estares a demonstrar-me a falta de respeito que eu tenho observado nas feministas com as quais me cruzei. Movimentos imaginários deixei-os na adolescência quando era comunista ferrenha, agora defendo com garras e dentes o meu direito a não ser ofendida por acreditar no mesmo que tu mas recusar o rótulo de feminista porque se calhar acredito noutras coisas que tu ainda não acreditas, ou que possas nem vir a pensar como eu.

      Delete

Translate

ShareThis